Artigo de Joel Nogueira: Dor; um sentimento que nos une

15541221_1161135660631718_3493201454465621040_nSeja de qual origem for, a dor é o sentimento que nos remete a pequenez da criatura humana sobre o imenso universo do nosso criador… Nos faz refletir sobre o presente, o passado e prontamente sobre o futuro. “Todo mundo é capaz de dominar uma dor, menos quem a sente!’ A dor enfraquece os corajosos, rebaixa o orgulho e revela a fragilidade do mais forte dos seres. A dor revela forças de onde menos esperamos e quando mais precisamos.

São Francisco de Assis, o santo amado e protetor dos pobres, considerava a dor como uma irmã que vem rebaixar todos aqueles que se acham donos do mundo. A dor não faz restrição a raça, cor ou credo… Sofrem dores tanto cristãos, quanto ateus e etc. Ricos e miseráveis. Todos passamos por dores físicas e morais, que desalentam a alma. Quando perdemos uma pessoa querida, parente, amigo, vizinho por exemplo, é o momento em que a dor se faz mais presente e por incrível que pareça, é nessas horas que nos unimos através da solidariedade, seja de um afeto à doações.

Como esquecer o abraço firme que a mãe do Danilo (goleiro da chapecoense) deu em um reporte? Ambos haviam perdidos pessoas queridas… foram país, filhos, amigos. A tragédia com o avião da chape uniu o Brasil e até mesmo o mundo, num sentimento de dor e tristeza pela perca, mas estes fazem nascer a esperança de dias melhores. Aqui em Lagoa Grande, fomos abalados com o falecimento da professora Paula Saraiva, foi impossível segurar as lágrimas ao relembrar da serenidade dela. Do seu carinho para com os filhos e amigos.

Quando somos balados pela dor, a alma se comove e consegue promover ajuda… é ai que esta dor se faz irmã.

Contribuiu para este, Alisson Teixeira.

Solange Almeida anuncia saída da Aviões do Forró

20161222215240655924u

A cantora Solange Almeida deixará a banda Aviões do Forró para seguir carreira solo. A informação foi confirmada nesta quinta-feira (22/12) pela assessoria da artista ao Viver. Após 14 anos dividindo os vocais com Xand, Solange deixa o grupo para lançar o próprio projeto. Sol já anunciou a gravação do primeiro DVD solo para o dia 8 de fevereiro, em São Paulo. O trabalho será batizado de Sentimento de mulher e teve o primeiro single, Duas e vinte e três, lançado no YouTube.

Solange vai cumprir a agenda de shows com o Aviões até o carnaval. A partir daí, a banda prosseguirá com o cantor Xand nos vocais. “A artista pretende se dedicar a carreira, família e a outros projetos pessoais. Em respeito aos sócios, empresários, Xand e fãs, sua saída foi adiada durante três anos e aconteceu de forma amigável”, diz o comunicado.
Na quarta-feira (20/12), o escritório A3 Entretenimento anunciou através de um comunicado que o pernambucano Pedro Mota, da Fonttes Promoções, passou a fazer parte do grupo de sócios responsáveis pela Aviões do Forró. O empresário é dono do escritório que gerencia a carreira de artistas como Marília Mendonça, Henrique e Juliano, César Menotti e Fabiano e Joelma.
“É com muita alegria que comunicamos ao mercado a entrada de Pedro Mota no projeto Aviões do Forró como empresário, juntamente com os sócios da A3 Entretenimento, ele entra para somar neste projeto que já é grandioso e de sucesso há 14 anos, liga as turbinas que ele chegou!”, diz a nota.

Confira o comunicado na íntegra:

Está confirmada a carreira solo da cantora Solange Almeida, após 14 anos a frente do Aviões do Forró ao lado do parceiro Xand. A artista pretende se dedicar a carreira,  família e a outros projetos pessoais. Em respeito aos sócios, empresários, Xand e fãs, sua saída foi adiada durante três anos e aconteceu de forma amigável. A artista cumprirá toda a agenda com o Aviões até o carnaval. A cantora gravará o seu primeiro DVD solo dia 08 de fevereiro, no Citibank Hall em São Paulo. A primeira música de trabalho, intitulada ‘Duas e 23’ já foi lançada de forma acústica na internet.

Projeto que torna Festa dos Vaqueiros de Curaçá(BA) patrimônio imaterial é aprovado

vaqueiro

A Assembleia Legislativa da Bahia aprovou Projeto de Lei de autoria da deputada Fabíola Mansur (PSB) que declara a festa dos Vaqueiros de Curaçá patrimônio cultural imaterial do estado da Bahia. O município de Curaçá fica no Vale do São Francisco, faz parte da microrregião de Juazeiro.

A região se destaca pela produção de diversas manifestações culturais, que exteriorizam a força do seu povo, a Festa dos Vaqueiros é uma delas. A comemoração tem sua origem no ano de 1953, e foi idealizada pelos moradores da cidade com o objetivo de homenagear o centenário do município. A festividade é considerada uma das maiores manifestações culturais da região do Vale do São Francisco, reunindo centenas de pessoas, entre vaqueiros, homenageados da festa, moradores da região e turistas de todo o Brasil.

Fabíola comemorou com seus pares a aprovação do seu projeto. “É importante que a cultura nordestina e baiana sejam cada vez mais valorizadas, são muitas as manifestações culturais em nosso estado, no sertão, no Recôncavo, no litoral, nos quatro cantos da Bahia. Precisamos valorizá-las, essa cultura não pode se perder. A partir do momento que essa celebração tradicional se torna patrimônio cultural imaterial do Estado o governo passa a ter responsabilidade em sua manutenção e na divulgação, ou seja, valorização e fortalecimento da cultura”, afirmou o a parlamentar.

Conheça o projeto: http://www.alba.ba.gov.br/atividade-parlamentar/proposicoes-resultado.php?cod=PL./21.547/2015

Rio São Francisco é tema de Calendário 2017

3

Uma dúzia de fotografias ilustra o Calendário 2017 ‘São Francisco, reflexos de um rio’, que a Clas Comunicação & Marketing já começou a distribuir gratuitamente em parceria com a Gráfica Bandeirante e a Cadan Distribuição, em meio às festividades deste Natal.

O anuário, que já está em sua 13ª edição, reproduz imagens literalmente refletidas nas águas do rio ou simplesmente reflexos da cultura e da vida dos ribeirinhos e paisagens marcantes. Um significativo inventário poético a partir dos olhares dos fotógrafos Breno Laprovitera, Mauricio André, Roberta Guimarães, Samuel Morais, Caio Alves, Marcus Ramos, Silvia Nonata, Cristiano Almeida, Lizandra Martins, Laís Lino, Priscila Fontinele e do poeta, jornalista e idealizador da série, Carlos Laerte.

Segundo o cantor e compositor Nilton Freittas, que assina o texto de apresentação do Calendário, os fotógrafos desafiados harmonizaram  bem as composições, enquadramentos,  ângulos e perspectivas com beleza e técnica. “Os apelos sociais e poéticos que são refletidos através de 12 olhares fotográficos sobre esta região e seu Rio, o São Francisco, este rio que nos integra, nos transporta, nos inspira e nos dá a vida enquanto povo e região: Baixo, Médio, Submédio e Alto São Francisco. Não deixe morrer. Não deixe o Rio morrer. Se não o que será de mim que só tenho este Rio pra viver?”

A Série Calendários da Clas Comunicação & Marketing/Gráfica Franciscana e Facape já expôs os cartões postais de Petrolina e Juazeiro em 2004, as Imagens do Vale do São Francisco (2005); As Flores da Caatinga (2006); A Arte que Vem do Vale (2007); Fé e Folguedo (2008); Brincávamos Assim (2009); Paisagem de Interior (2010); Espetáculos do Vale do São Francisco (2011); Assim na Terra como no Céu de Celestino (2012); Olhar Poesia (2013); Beleza pra Mim (2014), Artesanato de Petrolina (2015) e Geraldo Azevedo, pelos raios desse Sol (2016).

Para adquirir o Calendário gratuitamente, basta enviar um email: [../undefined/compose?to=clasmarketing@uol.com.br]clasmarketing@uol.com.br ou então nos procurar na Av. Souza Filho, 997, Centro – Petrolina – PE.

 

Adilson Gomes recebe homenagem pela atuação política

img_54881-1

Secretário-geral do PSB, Adilson Gomes recebe duas homenagens nesta quarta e quinta-feira. Ex-vereador e coordenador das campanhas vitoriosos de Miguel Arraes, Eduardo Campos e Paulo Câmara no Interior do Estado, Adilson será reconhecido como político de destaque em 2016. A primeira homenagem, nesta quarta-feira, será concedida pela Revista Total, que entrega o prêmioDestaque Político 2016, às 20h, no restaurante Sal e Brasa. Outras 11 personalidades serão agraciadas.

Na quinta-feira, Adilson Gomes receberá a Medalha Barão de Moreno, mais alta comenda da Câmara de Vereadores de Moreno, em solenidade às 19h. O socialista já foi vereador do município. Este ano, o socialista, que é um dos fundadores do PSB, completou 50 anos de atividade política. 

Assessoria de Imprensa do PSB

Jumariana Oliveira

Fiéis acompanham velório e prestam homenagens a d. Paulo Evaristo Arns

18152693080009305600000

Um chileno de 60 anos chorando parou em frente ao caixão do arcebispo emérito de São Paulo dom Paulo Evaristo Arns, 95, velado na madrugada desta quinta-feira (15) na Catedral da Sé, na região central de São Paulo. Entre lágrimas, ele se ajoelhou e disse: “o senhor me salvou, eu devo a minha vida ao senhor”.

Alejandro Santander é uma das inúmeras pessoas que Arns ajudou durante a ditadura militar e um dos vários fiéis que passaram pelo velório para se despedir dele, entre a noite de quarta (14) e madrugada desta quinta (15). Quem ainda não compareceu mandou coroas de flores, como o ex-presidente Lula.

Santander era militante socialista e deixou Santiago, sob a ditadura de Pinochet, rumo ao Brasil, em 1978. O chileno, que era ateu, lembrou que ninguém o esperava na chegada ao aeroporto. De lá foi à igreja Nossa Senhora da Paz, na região central, que recebe imigrantes, onde morou por dez dias e conheceu o religioso.

“Fui expulso do Chile e d. Paulo me recebeu de braços abertos, me ajudou nos primeiros dias”, disse, emocionado. Hoje agnóstico, Santander disse que aprendeu muito com o arcebispo e que por ele iria até o fim do mundo. “D. Paulo me ensinou que o cristianismo e o socialismo poderiam andar juntos”, falou.

Segundo Santander, Arns era um grande homem que ajudou um milhão de estrangeiros. “Hoje morreu o sorriso da esperança”. A dona de casa Maria Bernadete Medeiros, 54, mostrou orgulhosa uma foto da década de 80 quando foi crismada por Arns na igreja São Francisco Xavier, no Jardim Japão, na zona norte de São Paulo.

Quando viu na TV que Arns tinha morrido decidiu passar a madrugada velando o corpo do religioso na catedral. Para o marido disse que teria que fazer isso “porque ele fez parte da sua vida”.

Durante a madrugada, ela acompanhou as missas de corpo presente celebradas a cada duas horas e nos intervalos se juntou a um pequeno grupo para rezar o terço.
Em um pequeno intervalo das orações falou com a reportagem. Maria lembrou da época do curso de crisma quando o arcebispo fazia visitas aos jovens à convite do pároco da igreja.

Segundo ela, d. Paulo era muito carinhoso e chamava os jovens de “minhas crianças”. O curso durou mais de um ano e foram várias as vezes que os jovens se encontraram com Arns. “Ele falava que a vida tem sempre dois caminhos e era para gente seguir o de Cristo”, disse Maria.

O professor de geografia Marcio Janes, 63, acordou às 4h para ir ao velório do arcebispo, que disse acompanhar durante toda a vida. “Quero tentar voltar na sexta na hora do enterro”, falou.

Janes participou dos atos ecumênicos celebrados pelo arcebispo antes, durante e depois da ditadura. Para o professor, o arcebispo era um homem de grande força, capacidade de mobilização, esperança e conseguia levar isso para o conjunto da sociedade. “O lema de vida dele era de esperança em esperança”.

A advogada Juliana Graciolli, que passou a madrugada no velório, falou que Arns a inspirou a atuar na pastoral carcerária e na defesa dos direitos dos negros e indígenas. “Ele tinha uma frase simples e singela que era sem justiça, não há paz”.
Juliana disse que o arcebispo sempre falava em justiça social e da necessidade de levar a caridade aos povos. Segundo ela, quem via Dom Paulo tão franzino não conseguia imaginar a força dele. “Homem igual a ele vai demorar a nascer”, disse, emocionada.

Folha de PE

Jornalistas da Globo fazem manifestação em frente a emissora

globo-manifestacao1-1132x648

Os jornalistas da TV Globo São Paulo estão sem reajuste salarial desde o ano passado. Os profissionais reclamam que a emissora quer conceder aumento de 6% referente a 2015, ano em que a inflação ficou acima de 10%, e 6,5% para 2016.

Um abaixo assinado foi feito e está circulando com aderência dos trabalhadores do canal, que se reuniram em frente à emissora na tarde desta quarta-feira, 14, para protestar em prol da campanha salarial.

Segundo fontes da reportagem do Portal Comunique-se, em dezembro de 2015 não houve acordo entre empregados e emissora. A Globo começou as propostas oferecendo 5% de reajuste – depois subiu para 6% –, enquanto o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) começou as negociações pedindo 15% e baixou o valor conforme a inflação do ano.

A campanha salarial foi a dissídio. Assim, os profissionais entraram com ação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que decidiu em favor dos jornalistas, com reajuste de 10,94%. Porém, os patrões pretendem recorrer. Agora, o SJSP defende que se devem somar as inflações dos dois anos (2015 e 2016), mais 2% de aumento real. A contra proposta da Globo pretende conceder o valor da inflação deste ano, mais 7% referentes ao ano passado.

Na tarde desta quarta-feira, 14, cerca de 50 profissionais deram as mãos em volta da emissora, em protesto a favor da campanha. “Queremos respeito, reajuste salarial já”, escreveram no banner exibido durante o ato. O SJSP falou sobre o assunto em sua fanpage, afirmando que a manifestação é um “abraço solidário” dos trabalhadores na empresa.

“Apesar dos lucros bilionários, as emissoras de TV não reajustam nem salários, nem os benefícios da categoria há dois anos e as perdas por conta da inflação somam quase 20%. A campanha salarial do ano passado foi a dissídio e segue na Justiça do Trabalho. Neste ano, o sindicato patronal, presidido pela Globo, iniciou a campanha 2016-2017 com truculência, com proposta abaixo da inflação e se recusando a alterar ou incluir novas cláusulas na Convenção Coletiva”, declarou a entidade.

Procurada pela reportagem do Portal Comunique-se, a TV Globo São Paulo informou por meio de sua comunicação que “não se manifesta publicamente sobre suas relações trabalhistas com seus funcionários”.

Morre Dom Paulo Evaristo Arns, “o cardeal da esperança”

1481637238_864951_1481638139_noticia_normal_recorte1

Morreu nesta quarta-feira, vítima de uma broncopneumonia, o cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, uma das pessoas mais influentes da Igreja Católica e da sociedade brasileiras, conhecido pela contenda de uma vida inteira em defesa dos direitos humanos no país. Dom Evaristo, aos 95 anos completados em setembro, estava internado no Hospital Santa Catarina, em São Paulo, desde 28 de novembro, e hoje foi declarado pelos médicos que sofreu uma falência múltipla de órgãos.

Apesar de ter passado os últimos anos vivendo recluso em um convento em Taboão da Serra, sua morte impacta diferentes grupos sociais pelo seu papel decisivo na história da democracia brasileira. Dom Paulo, com 71 anos de sacerdócio, é uma figura que congrega pessoas muito além de crenças religiosas. Foi um dos principais nomes na luta contra a ditadura (1964-1985) e a favor do voto nas Diretas Já. Por conta disso – e por sua atuação incansável na defesa dos pobres – ficou conhecido como o “cardeal da esperança”.

Na mais recente homenagem à sua trajetória política, em seu 95 aniversário, foi descrito por Dom Angélico Sândalo Bernardino como “o rosto da periferia de São Paulo”. “Ele é ecumênico, coração aberto, anunciando a urgência de resistirmos contra toda mentira, contra toda impostura. Naquele tempo, contra a ditadura civil-militar. E essa resistência, a que ele nos convida, é permanente no Brasil atual”, disse o bispo da diocese de Blumenau.

Celebrada em 24 de outubro no Teatro da Pontifícia Universidade Católica (Tuca), às vésperas da morte do jornalista Vladimir Herzog na mão dos militares em 1975, a cerimônia reuniu religiosos, líderes militantes, intelectuais e jornalistas. Foi marcada, sobretudo, por relatos das ações de Arns contra a tortura aplicada pelos militares nos anos 60 e 70 e também por gritos de “fora, Temer”.

João Pedro Stédile, coordenador nacional do Movimento Sem Terra, afirmou que sem ele os movimentos sociais careceriam de guia. “A maioria dos movimentos que hoje existe, MST, MAB [Movimento dos Atingidos por Barragens], Movimento dos Pequenos Agricultores, Comissão Pastoral da Terra, Cimi [Conselho Indigenista Missionário], nascemos orientados por vossa sabedoria, que pregava: em tempos de ditadura, deus só ajuda quem se organiza. Então fomos nos organizar. Queremos agradecer de coração por tudo que o senhor fez nesses 95 anos, sobretudo porque o senhor ajudou a acabar com a ditadura militar no Brasil”, disse Stédile. Corintiano, o arcebispo também recebeu homenagens, na ocasião, do coletivo Democracia Corinthiana.

No Brasil, Dom Paulo Evaristo foi bispo e arcebispo de São Paulo entre os anos 60 e 70. Quando assumiu a Arquidiocese de São Paulo, a segunda maior comunidade católica do mundo, em 1970, uma de suas primeiras medidas foi vender o Palácio Pio XII, residência oficial do arcebispo, para financiar terrenos e construir casas na periferia. Em 1972, ele criou a Comissão Brasileira Justiça e Paz, que articulou denúncias contra abusos do regime militar.

Chegou a ser fichado no Departamento de Ordem Política e Social (Dops) em 1979. Em 1985, o cardeal criou a Pastoral da Infância com o apoio da irmã Zilda Arns, que morreu no Haiti, onde realizada trabalhos humanitários, vítima do forte terremoto que destruiu parte do país em 2010. Arns também foi o fundador, ao lado do pastor presbiteriano Jaime Wright, do projeto Brasil: Nunca Mais, que reuniu documentos oficiais sobre o uso da tortura no Brasil.

Sua história, contada em dois livros lançados pelo jornalista Ricardo de Carvalho,O Cardeal e o Repórter e O Cardeal da Resistência, chegará às telas do cinema com o filme Coragem – As muitas vidas de dom Paulo Evaristo Arns. Dirigido por Carvalho, o documentário – coproduzido pela Globo Filmes e o primeiro a ser feito sobre o arcebispo – retrata sua resistência ao regime militar e está prestes a ser concluído.

Ex-repórter da Folha de S.Paulo, Carvalho conheceu dom Paulo em 1976 por conta de sua intensa relação com a imprensa. Relata o diretor: “Ele foi, sem dúvida, a mais importante fonte de informações contra o regime militar. Como jornalista que é, dom Paulo não errava uma e tudo que dizia ou denunciava, vinha com provas, relatos… Foi assim quando o pastor Jaime Wright, ligadíssimo a dom Paulo, me passou, em 1978, a conta-gotas, a primeira lista de desaparecidos políticos checadas em diferentes fontes”.

Legado de Arraes é evidenciado em solenidade no PSB de Pernambuco

bobl5241retratista-robertopereira-1

bobl5310retratista-robertopereira-1

Dando início às comemorações da semana que marca o Centenário do ex-governador Miguel Arraes de Alencar, o Partido Socialista Brasileiro em Pernambuco realizou, na tarde desta segunda-feira (12), uma solenidade para marcar a nova denominação da sede da legenda no Estado. O Diretório do PSB pernambucano passa a se chamar Sede Miguel Arraes. A homenagem contou com a presença de diversas lideranças do partido, a exemplo do governador Paulo Câmara, do prefeito do Recife, Geraldo Julio, do presidente estadual Sileno Guedes, além de vereadores e deputados.

Abrindo a solenidade, o presidente estadual Sileno Guedes destacou o significado de Arraes para o PSB e falou que a iniciativa do partido é uma homenagem ao legado que o ex-governador deixa para o PSB. “O PSB sentiu necessidade de reunir seus militantes na sede, onde, de forma singela, carinhosa e de reconhecimento, a gente dá a esta casa o nome de Miguel Arraes. Como prova de que ele se faz vivo entre nós, sua militância se encontra viva. As pessoas que tiveram o privilégio de viver com Miguel Arraes e os que chegam podem sentir que aqui se pratica o legado de Arraes”, discursou.

Vice-presidente nacional do PSB, o governador Paulo Câmara destacou a importância da liderança de Miguel Arraes e falou da responsabilidade de manter o legado do socialista. “Hoje o PSB faz uma pequena homenagem, mas uma justa e sincera homenagem. Uma homenagem que toca o coração de todos que fazem o PSB porque Dr. Arraes é uma referência que mudou a vida dos pernambucanos para melhor, que trabalhou e dedicou sua vida para os que mais precisam. Ele deixa um legado e história de muita responsabilidade, de conceitos necessários que precisam ser colocados em prática no dia a dia do nosso País”, declarou.

Também presente na solenidade, o prefeito Geraldo Julio, que integra a Executiva nacional do PSB como primeiro-secretário, destacou o trabalho de Arraes para a população mais carente. “A gente está vendo o Brasil passar por tantas dificuldades, em que o povo é que está perdendo. Dr. Arraes está guiando os olhos da política, do PSB, para os mais pobres, para o combate às desigualdades. Que a vida dele possa ser referência e possa inspirar os líderes hoje do País para que a gente possa voltar os olhos para as pessoas que mais pobres”, afirmou.

Falando em nome da família, Pedro Arraes, filho do ex-governador, agradeceu a homenagem, e disse que a conexão com as necessidades do povo é um dos principais legados do líder socialista. Bisneto de Arraes, o secretário de Organização do PSB de Pernambuco, João Campos, também testemunhou a dedicação de Arraes na política brasileira. “Ele era um homem que gostava mais de ouvir do que de falar, mas sempre que se posicionava era com muita firmeza e tinha coerência com o que defendia e praticava”, disse.

As comemorações pelo Centenário de Arraes continuam ao longo desta semana. Nesta terça-feira, o Congresso Nacional realiza sessão solene em homenagem ao ex-governador. Na quarta-feira, o PSB Nacional reúne o diretório para celebrar os 100 anos de Arraes. Também haverá comemorações no legislativo estadual, municipal, além de missas e exposições.

Fotos: Roberto Pereira/PSB

Assessoria de Imprensa do PSB