Precisamos construir um novo pacto político e social, diz Silvio

SCF_Encontro

Durante o encontro das oposições ao governo do PSB em Pernambuco,  que reuniu o PTB, DEM, PSDB, PRB, Podemos, PV e  PRTB, o deputado Silvio Costa Filho (PRB) defendeu a realização de um debate de ideias e de propostas para mudar os rumos de Pernambuco.

“O momento é de discutir conteúdo, não adianta faze o debate de nomes. O que precisamos é construir um novo pacto político em Pernambuco para viabilizar uma nova agenda para o Estado, capaz de resgatar nossas conquistas de ontem e recolocar Pernambuco no caminho do desenvolvimento econômico e social”, defendeu o parlamentar em seu discurso.

Líder da Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco,  Silvio acredita que é possível resgatar o papel de liderança do Estado, trilhar o caminho do desenvolvimento sustentável com foco, sempre, no bem estar social. “Governar é eleger prioridades. E essas prioridades no nosso ponto de vista devem ser os serviços prestados à população e a mehoria da qualidade de vida do povo pernambucano. Infelizmente, o governo Paulo Câmara abandonou esse caminho”, destacou.

Para o deputado, é importante intensificar o debate com todas as forças de oposição à gestão Paulo Câmara. “Pernambuco quer mudar, por isso precisamos avaliar com todas as forças da oposição qual o melhor caminho para construir o futuro de Pernambuco”,  defendeu.

Grupo das oposições lança movimento para mudar Pernambuco

pe_quer_mudar_1
As principais lideranças de oposição no estado lançaram, nesta segunda (11), o movimento “Pernambuco Quer Mudar”. O ato reuniu quase duas mil pessoas numa casa de recepções no Recife Antigo. À frente do evento os senadores Armando Monteiro (PTB) e Fernando Bezerra Coelho (PMDB), os ministros Fernando Filho (sem partido) e Mendonça Filho (DEM), o deputado federal Bruno Araújo (PSDB) e os ex-governadores Joaquim Francisco e João Lyra Neto (PSDB), entre outros líderes. Essa agenda foi a primeira de uma série que será realizada nos próximos meses. A proposta é percorrer todas as regiões do Estado, já a partir de janeiro, iniciando por Petrolina, no Sertão. O objetivo é ouvir as pessoas e recolher propostas que possam compor uma futura plataforma de trabalho.
As sugestões recolhidas servirão de base para que o movimento possa apresentar à sociedade alternativas à atual gestão, contemplando ações que reestruturem a economia, a segurança pública, a saúde, infraestrutura, entre outras áreas, garantindo ao poder público a capacidade de transformar a vida das pessoas. O evento reuniu mais de 45 prefeitos, centenas de vereadores, além de deputados federais e estaduais, representantes de partidos políticos, militantes, profissionais liberais e sindicalistas. Todos reafirmaram o compromisso com a mudança de rumos em Pernambuco, que nos últimos três anos viu sua economia encolher, a criminalidade aumentar e hoje lidera a taxa de desemprego no Brasil.
“Temos um roteiro, temos a alternativa, temos homens testados nas lutas e nas urnas e que compreendem o quanto é necessário construir esperança nessa hora. Uma reunião desse tipo, com essa multiplicidade de lideranças mostra que estamos construindo uma engenharia de uma grande obra social e econômica. Estamos aqui porque temos crença de que Pernambuco precisa mudar e vai mudar”, afirmou o ex-governador Joaquim Francisco. “O que estamos vendo aqui é que Pernambuco quer mudar. Não estamos vivenciando nenhuma convenção, não estamos anunciando nenhum candidato, mas nunca houve na história de Pernambuco o início de um movimento político com tantas lideranças. Isso significa que todas as regiões de Pernambuco vão nos unir para colocar Pernambuco no seu devido lugar, para fazer o estado restabelecer sua liderança nacional”, frisou ex-governador João Lyra Neto.
Deputado federal no terceiro mandato e ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho destacou a perda de competitividade do estado nos últimos três anos, quando Pernambuco investiu menos que Bahia e Ceará. “Nós temos agora é que construir o daqui pra frente, de forma diferente. Não temos medo do debate, não temos medo de defender as ideais em que acreditamos”, disse. Para o deputado federal e ex-ministro das Cidades Bruno Araújo, esse é um dos movimentos mais consistentes, expressivos e fortes da história de Pernambuco. “Encerrou um ciclo. Pernambuco parou nos últimos três anos. Não que não tenha crise, mas a crise precisa ser enfrentada com coragem. O pernambucano é firme e não se acomoda nas situações difíceis. Vamos andar todo o estado e apresentar um novo projeto”.
Com 35 anos de vida pública, o senador Fernando Bezerra Coelho destacou a força das oposições em Pernambuco e afirmou que o próximo governador deverá sair deste campo político. “Eu vejo aqui e sinto no meu coração o sentimento das ruas, que vem do nosso povo. Pernambuco quer e vai mudar. Vamos virar a página de um ciclo político que já se esgotou”. O ministro da Educação Mendonça Filho reforçou a necessidade de mudar, diante de um governo que frustrou a maioria dos pernambucanos. Ele acrescentou que a definição da chapa irá ocorrer no momento oportuno. “Não nos reunimos para definir quem será o candidato a governador ou senador, mas para dizer que percebemos o sentimento do povo pernambucano. Sentimento de basta à incompetência, à arrogância e à omissão. Pernambuco precisa construir um novo rumo”.
Encerrando o ato, o senador Armando Monteiro convocou todas lideranças e forças políticas do estado a construir um projeto que recoloque Pernambuco no caminho do crescimento. “Vivemos tempos de mediocridade no estado, de um experimento que não deu certo. Convoco a todos para que, juntos, possamos construir um novo projeto. Esse é um projeto que está aberto para todas as forças que têm compromisso com Pernambuco. Quem quiser, vai ser muito bem recebido”, concluiu.
Foto: Edmar Melo/Divulgação

Wellington Batista abre encontro estadual do MST

sara (2)

sara (3)O secretário de Agricultura e Reforma Agrária de Pernambuco, Wellington Batista, participou da abertura do 27º Encontro Estadual do MST em Pernambuco, neste domingo (10), em Caruaru. O objetivo do evento, que segue até o dia 14, é discutir o planejamento do movimento para o próximo ano e alinhar as estratégias de ações. Batista representou o Governo de Pernambuco no encontro e reforçou que existe um canal de diálogo permanente com o MST.

“Queremos ampliar e reforçar todas as parcerias já existentes entre o movimento e o Governo de Pernambuco. O governador Paulo Câmara sempre deixa claro que o nosso papel como gestor público é garantir a qualidade de vida para a mulher e o homem do campo. Não vamos medir esforços para manter esse diálogo permanente com os movimentos sociais e as entidades”, reforçou o secretário Wellington Batista.

Para Jaime Amorim, coordenador estadual do movimento, um encontro como este demonstra a força que o MST tem em Pernambuco. “Estamos com quase 1.000 pessoas aqui participando deste encontro para discutir as estratégias do movimento. Temos representantes da região metropolitana até o sertão, e queremos debater qual o nosso papel na sociedade. Este ano de 2017 foi de muita luta e 2018 será ainda mais importante”, disse.

Participaram ainda do encontro representantes de várias entidades e organizações, como a Fetape, CUT, movimentos sindicais, grupos de jovens, entre outros. O secretário executivo da Agricultura Familiar, José Cláudio, também prestigiou o evento.

FOTOS: Edilson Júnior

Araripina deixa de ser a cidade mais transparente do Araripe

Resultado de imagem para araripina

Dados recentes divulgados pelo Tribunal de Contas do Estado, informou que o município de Araripina caiu cinquenta e cinco posições no ranking das cidades transparentes de Pernambuco.

 Em 2016, Araripina foi considerada a cidade mais transparente do Sertão do Araripe, segundo os mesmos dados.

O município se encontrava na 40° posição e hoje está na 95°, sendo que em 2016 tinha 535.50 pontos considerado moderado agora em 2017 caiu 22 pontos, ficando com 513.50 pontos.

Araripina era a mais transparente da região do Araripe e hoje quem lidera o topo é a cidade de Bodocó.

Essa posição desconfortável do município, 95 posição, ou seja, entre os municípios menos transparentes do estado, demonstra a falta de compromisso do gestor atual com o dinheiro público, já que não presta contas dos seus gastos.

Dessa forma, o Município fica descredibilizado.

O Tribunal de Contas do Estado avalia esses municípios com menor índice de transparência como aqueles que apresentam maiores problemas de gestão. Lamentável essa realidade. Será que essa é a Araripina que o povo quer?

Reserva Tatu Bola: Valor recebido de ICMS Ecológico pela Prefeitura de Lagoa Grande já ultrapassa mais de R$ 2 milhões

Imagem relacionada

O Site do Tribunal de Contas de Pernambuco, disponibiliza o acompanhamento mensal de quanto cada município pernambucano vem recebendo de parcela do  ICMS Ecológico.

O ICMS Ecológico, que é uma parcela ambiental do ICMS Socioambiental e, foi estabelecido em Pernambuco por meio da lei estadual nº 11.899/00 e determina que parte dos recursos do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços seja repassada aos municípios que contribuem para a preservação do meio ambiente, melhoria das condições de saúde e educação. Até outubro de 2017 foram repassados, pela Secretaria da Fazenda do Estado, R$ 68.704.555,83.

Dos 184 municípios pernambucanos, 34 receberam, em 2013, a parcela do ICMS Socioambiental relativa à destinação adequada do lixo; 38 receberam esta parcela em 2014; 33 municípios em 2015; 54 em 2016, e em 2017, 65 municípios estão recebendo, conforme informações repassadas ao TCE pela Agência Estadual de Meio Ambiente – CPRH.

Os cofres da prefeitura de de Lagoa Grande por exemplo já recebeu um montante de R$ 2.290.151.861,09  e que ainda não teve destinação por parte do Prefeito Vilmar Cappellaro. O  município através dos representantes de movimentos sociais, tem enfrentado uma briga como governo estadual e outros órgãos que defende a instalação da reserva do tau bola no município, algumas reuniões fora realizadas mas até então nenhuma decisão foi tomada. Agricultores e moradores do interior estão apreensivos e preocupados com o modela da reserva que pode vir a ser implantado no município, obrigando aos proprietários de terras a destinarem partes das suas propriedades para a tal reserva tatu bola e, as discussões sobre a reserva tatu bola, até então estão paralisadas.

tatu bola

Enquanto isso,  o montante do recursos só aumentam nos cofres das prefeituras municipais de Lagoa Grande, Santa Maria da Boa Vista e Petrolina, sendo que Lagoa Grande integra  a maior parte da reserva.

Segundo o tribunal de contas, os municípios pernambucanos que não recebem os valores da parcela ambiental do ICMS precisam atender aos requisitos estabelecidos na Lei nº 13.368/2007  e no Decreto nº 33.797/2009, a exemplo de possuírem, no mínimo, licença prévia de projeto, junto à CPRH, de sistemas de tratamento ou de destinação final de resíduos sólidos, mediante, respectivamente, unidade de compostagem ou de aterro regras .

Ainda segundo o TCE, as regras para repartição das receitas tributárias entre os municípios foram estabelecidas pela Constituição Federal de 1988. O artigo 158 prevê que 25% do produto arrecadado do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS, pelos Estados, devem ser repassados para os municípios. A lei também estabelece que os critérios de repasse de até ¼ (25%) desses valores fiquem a cargo dos Estados, por meio de legislação própria.

REPASSE DO ICMS ECOLÓGICO

Clique aqui para saber quanto seu município está recebendo em 2017 e o valor repassado

Fonte: Tribunal de Contas de PE.

Chove, e o São Francisco se transforma num imenso rio de lama

5911fa51bb44ab7373d2d69b59503050-horz

Imagens da ultima sexta-feira (8) mostram o rio São Francisco cortando o oeste da Bahia, na região de Bom Jesus da Lapa, absurdamente embarreado. No entanto, mil quilômetros abaixo, a nascente, no sul de Minas, está recebendo borbotões de água cristalina, num volume espantoso, que desce pela cascata Casca D”Anta para formar o S. Francisco inteiramente saudável. A limpidez da água, porém, desaparece não muito longe. Com as chuvas fortes da ultima semana, camadas de lama estão escorrendo dentro do rio já no Sul de Minas. E assim vai até a foz, 2.804 quilômetros adiante.

O assoreamento do S. Francisco, longe de ser novidade, tem sido uma constante nos últimos anos. Porém, neste final de 2017 o que se configura é a imagem de um imenso desastre ambiental, ecológico e agronômico que parece não ter fim. O solo agrícultável, drenado de uma área de aproximadamente 641 000 km² da calha do rio, tão arduamente construido e conservado pelos agricultores profissionais, está se desmanchando em torrões carregados pelas enxurradas que, sem anteparo, despejam uma lama espessa dentro da calha do S. Francisco. Há trechos, no Estado da Bahia, que já se atravessa, de margem à margem, a pé.

A Embrapa Solos, responsável pelo monitoramento dos solos e movimentos geologicos, estima que o País esteja perdendo cinco bilhões de dólares por ano somente pela ação da erosão. São 140 milhões de hectares degradados. Pior é questão social. Foi o que aconteceu no rio Casca, na zona da mata mineira, que, assoreado, saiu do leito e destruiu a cidade, causando mortes (5 pessoas, da mesma familia).

O Inmet alerta que mais chuvas chegam sobre MInas, Bahia, Espirito Santo, além do o Matopiba. O Cenad (Centro Nacional de Gerenciamento de Desastres Naturais), órgão ligado à Defesa Civil da Presidência da República, está de sobreaviso para socorrer possíveis vítimas. Mas nada poderá fazer com relação à lama que descerá para o rio.

Volume imenso de terra irá, inevitavelmente, correr para dentro da calha do S. Francisco — que já não tem mais profundidade para absorver os detritos. Com o leito raso, a água tenderá a vazar pelas margens, onde, sem os antigos barrancos, é possível prever que as inundações irão tomar o sertão da Bahia. O Nordeste está há 5 anos debaixo de seca intensa.

Fonte: Noticas Agricolas

Primeiro round do encontro das oposições será a violência em Pernambuco

Eleiçõies 2018 Governador-vert

O primeiro encontro oficial do novo palanque de oposição ao governador Paulo Câmara (PSB), nesta segunda-feira (11), trará o primeiro round da disputa de 2018: um ataque sobre a crise da violência em Pernambuco. Dados não oficiais indicam que os homicídios em 2017 já ultrapassaram a marca histórica de 5 mil mortes no ano, um recorde histórico e negativo de um programa tão exitoso no passado.

O Pacto já foi o maior cartão de visitas do PSB e do falecido Eduardo Campos, na campanha presidencial de 2014. Agora, os senadores Armando Monteiro (PTB) e Fernando Bezerra Coelho (PMDB), o deputado Bruno Araújo e os ministros Mendonça Filho (DEM) e Fernando Filho (sem partido) vão usar a derrocada do programa como arma política contra o PSB.

Como reação prévia, Paulo Câmara, nas últimas semanas, fez uma série de anúncios na área metropolitana e interior de reforço do efetivo policial e mais batalhões. Esse é o tema que gera maior desgaste para o governo. Mas auxiliares de Paulo asseguram: pesquisas internas mostram que há uma reação do governo na área e isso ficará mais claro até março. Pode ser. Mas o primeiro round já será nesta segunda.

Estimativa

A oposição estima que vai juntar mais de 1.200 pessoas no Recife, no Arcádia do Paço Alfândega. A lista dos convocados inclui prefeitos, ex-prefeitos, deputados, empresários e lideranças ligadas a entidades setoriais.

Nomes da oposição ao PSB tratam o encontro em Caruaru, em agosto, como ensaio do bloco, pois o evento era do Ministério das Cidades. Amanhã será um ato 100% político. Houve convocação em massa de aliados para mostrar a força do bloco, que não inclui o ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS), presente em agosto.

Para não ficar somente nos discursos políticos, o bloco de oposição pretende apresentar dados e estatísticas para corroborar a avaliação política do acumulado de problemas de Pernambuco relacionados à gestão do PSB.

PE Noticias

Jarbas e Raul reforçam críticas a FBC, na festa do morro

Jarbas e Raul prestigiaram a festa em um bar

O deputado Jarbas Vasconcelos e o vice-governador Raul Henry, que enfrentam uma forte disputa contra o senador Fernando Bezerra Coelho, pelo controle do PMDB-PE, estiveram na festa do Morro da Conceição, na manhã desta sexta (08). Distante da agitação que cercava comitiva ligada ao governador Paulo Câmara (PSB), os peemedebistas voltaram a criticar a atitude do novo correligionário.

Sentado em uma mesa de bar, Raul Henry reafirmou que seu grupo foi “traído”. “Foi uma atitude de oportunismo. Quando Jarbas manifestou a insatisfação dele com a entrada do senador, ele foi para Brasília pedir para um ‘cupincha’ dele assinar um pedido de dissolução do PMDB e se filiou 48h horas depois. É um ato indigno, de mau-caratismo. Não aceitamos e não vamos aceitar. Vamos lutar em todas as frentes para preservar nossa integridade e identidade política”, colocou. A disputa deve ter um desfecho no próximo dia 17, quando será realizada a convenção da legenda.

Na última quarta-feira (06), Jarbas e Raul foram ao encontro do presidente Michel Temer (PMDB), para tratar do imbróglio. Na ocasião, falaram mais do que ouviram. O presidente, então, ficou de conversar com o senador Romero Jucá e o relator do processo de dissolução da executiva estadual da sigla, o deputado Baleia Rossi. “A conversa foi muito cordial e ele (Temer) disse que não estava acompanhando isso, porque tinha grandes tarefas à frente da chefia de Estado”, pontuou Henry.

“O partido estadual hoje é o que mais cresceu no Brasil. É aberto. Tanto que FBC, quando manifestou a intenção de entrar no partido, não houve uma declaração nossa contra sua entrada. Pelo contrário, teve uma declaração de Jarbas elogiando a possibilidade de ele entrar no partido”, completou o vice-governador, que preferiu guardar segredo sobre suas promessas feitas durante a festa do morro. “Pedido para a Santa é segredo”, brincou.(Blog da Folha)

Ciro e Lula combinam aliança para o 2° turno

O prazo a que Ciro Gomes (PDT) se impôs para viabilizar seu nome como candidato da esquerda na eleição de 2018 se esgotou há duas semanas. Depois de conversas com petistas, Ciro concluiu que não terá apoio do ex-presidente Lula. Interlocutores dos dois presidenciáveis dizem que estabeleceu-se um acordo: quem passar para o 2° turno apoia o outro.

Na última Datafolha, o pedetista aparece em quinto lugar, com 6% das intenções de votos, contra 34% de Lula. No seu melhor cenário sem o petista, perde apenas para Jair Bolsonaro.

Ciro começou a acelerar a montagem dos palanques regionais filiando novos nomes ao PDT. O mais recente foi o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, que saiu do PV. Ciro está em busca de um nome no DF. Quer fortalecer sua campanha nos Estados.(Coluna do Estadão)

Política: Ex-vereador Paraíba de volta ao grupo do Senador Fernando Bezerra

O ex-vereador de Petrolina (PE) Paraíba agora é ex-aliado de Julio Lossio, com quem compartilhou durante alguns anos, os momentos da política. O ex-parlamentar decidiu retornar ao grupo do senador Fernando Bezerra Coelho, visando as eleições de 2018. A decisão foi tomada neste sábado (9). Para muitos, isso foi uma novidade, mas eleição faz milagres e pode-se esperar tudo. (Foto: Ascom).

Fonte: Petrolina em Destaque