Temer marca jantar com parlamentares para discutir reforma da Previdência

Foto: Alan Santos/PR
Em meio ao troca-troca da reforma ministerial por votos para a aprovação da reforma da Previdência proposta pelo governo Michel Temer, a bancada mineira do PMDB tenta emplacar o deputado federal Mauro Lopes (PMDB) no ministério da Secretaria de Governo, em substituição ao deputado licenciado Antônio Imbassahy (PSDB-BA).
Desgastado na relação com a base de governo na Câmara dos Deputados, Temer decidiu que Imbassahy não ficará, podendo deslocá-lo para o Ministério dos Direitos Humanos, hipótese em que a tucana Luislinda Valois seria exonerada. O acerto com Imbassahy, porém, ainda não foi fechado. O ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB), deve permanecer no cargo.
A possibilidade de Lopes ainda não foi definida. Ao mesmo tempo em que o presidente faria um gesto para Minas Gerais, – pela primeira vez na história da República não ocupa nenhum cargo no primeiro escalão do governo federal –, teria no governo um parlamentar que valoriza muito cargos executivos e não costuma pleitear mais poder.
“A bancada mineira não está reivindicando. Mas Michel Temer me consultou sobre o nome de Mauro Lopes. E considerei uma excelente opção”, afirmou ontem Fábio Ramalho (PMDB-MG), vice-presidente da Câmara dos Deputados e coordenador da bancada federal mineira.
Entre peemedebistas mineiros, contudo, não faltaram críticas e a avaliação de que Temer iria “esvaziar” as atribuições da poderosa pasta, dando mais poder para Moreira Franco ministro da Secretaria-Geral da Presidência e ao ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Ministro da Aviação Civil de Dilma Rousseff por menos de um mês, Lopes assumiu o cargo sob protestos de seu partido e, depois, licenciou-se, prometendo à então presidente Dilma o voto contra o seu afastamento na Câmara dos Deputados. Mas três dias depois, a traiu, “agradecendo” o cargo e engrossando o coro em favor da abertura do impeachment.
Além de Mauro Lopes, outro nome cotado para assumir a Secretaria de Governo é o ex-deputado João Henrique Sousa (PMDB-PI). Desde que Temer assumiu o governo, Sousa preside o Conselho Nacional do SESI. No governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), o piauiense foi ministro dos Transportes.
JANTAR
Pressionado pelo mercado financeiro a entregar pelo menos algum quinhão da anunciada reforma da Previdência e a apenas quatro semanas do fim do ano legislativo, Temer também enfrenta a pressão dos partidos de sua base aliada para promover a reforma, afastar o PSDB e redistribuir os cargos aos partidos “fieis”. Ao mesmo tempo, Temer recuou da decisão de uma reformulação ministerial ampla. Ontem, o Temer acertou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e líderes partidários da base um jantar, provavelmente na quarta-feira, para apresentar a nova versão da Reforma da Previdência. Até lá, as mudanças devem estar definidas.
Entre as substituições pontuais no primeiro escalão, Temer escolheu o deputado Alexandre Baldy (sem partido-GO), para o Ministério de Cidades, – um dos mais cobiçados por seu generoso orçamento – em substiuição a Bruno Araújo (PSDB-PE), que entregou o cargo na semana passada. Baldy tem o apoio do presidente da Câmara. Filiado ao Podemos, Baldy decidiu sair do partido em agosto quando foi destituído da liderança da legenda na Câmara. Agora tende a se filiar ao PP, partido que integra o centrão e pleiteia mais espaço no governo em troca de votos para aprovar a reforma da Previdência.
Diário de PE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *